Carta do pe Beraldo
banner site MCC Pelotas


Carta MCC do Brasil n° 227 julho 2018


O seu divino poder nos presenteou com tudo o que contribui para a vida e para a piedade, mediante o conhecimento aquele que nos chamou por sua glória e força poderosa. Por elas foram-nos con­cedidos os bens prometidos, os maiores e mais valiosos, a fim de que vos tornásseis participantes da natureza divina, fugindo da corrupção que a concupiscência espalha no mundo. Por isso mesmo, dedicai todo o esforço em juntar à vossa fé a fortaleza, à fortaleza o conhecimento, ao conhecimento o do­mínio próprio, ao domínio próprio a cons­tância, à constância a piedade, à piedade a fraternidade, e à fraternidade, o amor.” (2Pd 1, 3-7).


Meus amados leitores e leitoras, companheiros na peregrinação rumo à Pátria definitiva, desejo a todos vocês a coragem, a fortaleza e a perseverança do Espírito Santo nesta nossa árdua caminhada!

Introdução.

Quem sabe, ao começar a ler o texto bíblico citado, você já tem uma pergunta na ponta de língua: porque este texto da Segunda Carta de Pedro já proposto pela liturgia do passado dia 04/06, segunda-feira da 9ª. Semana do Tempo comum? O que há de novidade para que o autor destas Cartas mensais volte ao assunto? Ai vai a resposta: nenhuma novidade em repropor uma reflexão em torno do texto feita naquele dia que, tendo suscitado o interesse de tantas pessoas, decidi partilhá-la com meus caros leitores e leitoras originalmente como “proposta de um itinerário de vida que optar seguir o caminho de Jesus”. Pois quem decide empreender uma jornada no caminho d’Aquele que o atrai tem uma meta a alcançar e está, assim, consciente das etapas a percorrer: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6). O apóstolo Pedro vai acompanhar-nos na jornada. Aliás, observe-se que, ao falarmos em “etapas”, devemos percorre-las como simultâneas, mirando sempre para a meta. Animados pelo dom da Fortaleza do Espírito Santo, iniciemos nossa jornada.

1. META da caminhada com Jesus rumo ao Reino definitivo é: “Tornar-se participante da natureza divina: Lembre-nos que em cada celebração da Eucaristia repetimos: “Pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da divindade do Vosso Filho que se dignou assumir a nossa humanidade” (preparação das oferendas durante a liturgia eucarística). É de Santo Agostinho a afirmação: "Deus enviou-nos o seu Filho, para que, participando da nossa mortalidade por amor, nos fizesse participantes da sua divindade por adoção" (Sermão 121, 1). Fortalecidos pela certeza desta nossa condição de elevados à divindade é que ousamos iniciar, de verdade, a nossa jornada. Preparando-nos, então, e decididos a encarar a aventura de nossa caminhada, ouçamos uma das condições fundamentais para um peregrino que é escutar o chamado: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8, 34b). Estejamos certos de que, pelo caminh o da vida, plano ou acidentado, ensolarado ou chuvoso, na primavera ou no inverno, passo a passo, iremos encontrando, como a Samaritana, aquela “fonte de água jorrando para vida eterna” (Jo 4, 14b), a PALAVRA DE DEUS que saciará a nossa sede e o alimento que saciará a nossa fome: “Quem se alimenta com minha carne e bebe meu sangue permanece em mim, e eu nele” (Jo 6, 56). É na MESA EUCARÍSTICA portanto, que vamos renovar nossas energias...Se possível, na sua frequência diária.,

Primeiro passo

a) libertar-se da corrupção do pecado: das ingratidões para com Deus, desobediência à sua vontade, falta de amor ao próximo, não perdoar aos que nos ofendem, resistir em sair para oferecer o perdão, etc,

b) livrar-se da concupiscência do mundo: de tudo o que contraria os critérios do Reino de Deus como a sede do poder e do ter, o orgulho, a vaidade, a autossuficiência, o ódio, a violência, etc.

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “E disse-lhes: "Não leveis nada pelo caminho: nem cajado, nem sacola, nem pão, nem dinheiro, nem duas túnicas” (Lc 9,3).

Segundo passo

Juntar à fé a FORTALEZA:. Movidos pela fé em Jesus é que iniciamos nossa jornada ainda que conscientes e nossas fragilidades, limitações, cansaços, desânimos e tentações que nos esperam. Para prosseguir, então, já nos sentimos necessitados de uma força superior que nos ajude a não desanimar. E não esqueçamos que a fortaleza é esta força porque é um dom do Espírito Santo.

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “E disse-lhes: “Enfim, fortalecei-vos no Senhor, no poder de sua força; revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do diabo” (Ef 6, 10).

Terceiro passo

Juntar à fortaleza o CONHECIMENTO: do projeto de Deus, da verdade, do seu plano de amor para com o mundo e para suas criaturas com especial abertura aos dons do Espírito Santo que todos recebemos no batismo.

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “Ele respondeu: ‘Porque a vós foi dado conhecer os mistérios do Reino dos Céus..” (Mt 13,11a).

Quarto passo

Juntar ao conhecimento o AUTODOMÍNIO: não ceder às tentações de todo tipo e nem às ofertas contrárias ao projeto de Deus, ainda que elas possam satisfazer o nosso egoísmo, o individualismo, o orgulho, poder e o ter etc..

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo” (Lc 14, 33).

Quinto passo

Juntar ao autodomínio a PERSEVERANÇA: não desanimar nunca apesar das dificuldades da caminhada com os obstáculos de todo tipo que conhecemos mesmo aqueles próprios de nossa fragilidade humana.

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “... quem perseverar até o fim, esse será salvo” (Mt 10, 22b).

Sexto passo

Juntar à perseverança a PIEDADE: não deixar de buscar a intimidade com Deus na oração, no silêncio, no recolhimento interior, no diálogo constante com Deus, na leitura orante da Palavra de Deus, etc..

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “Vós, portanto, orai assim: Pai nosso que estás nos céus... (Mt 6, 9).

Sétimo passo

Juntar à Piedade o AMOR FRATERNO: : a piedade leva à prática de vida como que coroando a caminhada:

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei” (Jo 15,12).

Oitavo passo

Juntar ao amor fraterno a CARIDADE: : aqui estão o final e o reinício da caminhada no caminho do seguimento de Jesus: CARIDADE que aumenta e torna concreta e vivencial a amplitude do amor em atos, gestos e testemunhos de vida:

Um minuto de descanso para ir beber na fonte da água viva: “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos” (Jo 15, 13).

Conclusão : é com Maria, a Mãe do VERBO ENCARNADO-PALAVRA e do “PÃO VIVO QUE DESCEU DO CÉU” que vamos caminhando até atingir a meta, pois “pelas estradas da vida, nunca sozinhos estamos”!

1. Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás.
Contigo pelo caminho, Santa Maria vai.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.


2. Se pelo mundo os homens, sem conhecer-se vão,
Não negues nunca a tua mão a quem te encontrar.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.


3. Mesmo que digam os homens, tu nada podes mudar
Luta por um mundo novo de unidade e paz.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.


4. Se parecer tua vida inútil caminhar,
Lembra que abres caminho, outros te seguirão!
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.
Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem.

Pe. José Gilberto Beraldo      
Equipe Sacerdotal do GEN    
E-mail: jberaldo79@gmail.com


Cartas, anteriores do pe. Beraldo:

Carta - jun/2018 - clicar aqui!

Carta - mai/2018 - clicar aqui!

Carta - abr/2018 - clicar aqui!

Carta - mar/2018 - clicar aqui!

Carta - fev/2018 - clicar aqui!

Carta - jan/2018 - clicar aqui!

Carta - dez/2017 - clicar aqui!

Carta - nov/2017 - clicar aqui!

Carta - out/2017 - clicar aqui!

Carta - set/2017 - clicar aqui!

Carta - ago/2017 - clicar aqui!

Carta - jul/2017 - clicar aqui!

Carta - jun/2017 - clicar aqui!

Carta - abr/2017 - clicar aqui!

Carta - mar/2017 - clicar aqui!

Carta - fev/2017 - clicar aqui!

Carta - jan/2017 - clicar aqui!

Carta - dez/2016 - clicar aqui!

Carta - nov/2016 - clicar aqui!

Carta - out/2016 - clicar aqui!

Carta - set/2016 - clicar aqui!

Carta - ago/2016 - clicar aqui!

Carta - jul/2016 - clicar aqui!

Carta - jun/2016 - clicar aqui!

Carta - mai/2016 - clicar aqui!

Carta - abr/2016 - clicar aqui!

Carta - mar/2016 - clicar aqui!

Carta - fev/2016 - clicar aqui!

Carta - jan/2016 - clicar aqui!

Carta - dez/2015 - clicar aqui!

Carta - nov/2015 - clicar aqui!

Carta - out/2015 - clicar aqui!

Carta - set/2015 - clicar aqui!

Carta - ago/2015 - clicar aqui!

Carta - jul/2015 - clicar aqui!

Carta - jun/2015 - clicar aqui!

Carta - mai/2015 - clicar aqui!

Carta - abr/2015 - clicar aqui!

Carta - mar/2015 - clicar aqui!

Carta - mar/2015 - clicar aqui!

Carta - fev/2015 - clicar aqui!

Carta - jan/2015 - clicar aqui!

Carta - dez/2014 - clicar aqui!

Carta - nov/2014 - clicar aqui!

Carta - out/2014 - clicar aqui!

Carta - set/2014 - clicar aqui!

Carta - ago/2014 - clicar aqui!

Carta - jul/2014 - clicar aqui!

Carta - jun/2014 - clicar aqui!

Carta - maio/2014 - clicar aqui!

Carta - abril/2014 - clicar aqui!

Carta - março/2014 - clicar aqui!

Carta - fevereiro/2014 - clicar aqui!

Carta - janeiro/2014 - clicar aqui!

Carta - dezembro/2013 - clicar aqui!

Carta - novembro/2013 - clicar aqui!

Carta - outubro/2013 - clicar aqui!

Carta - setembro/2013 - clicar aqui!

Carta - agosto/2013 - clicar aqui!

Carta - julho/2013 - clicar aqui!

Carta - junho/2013 - clicar aqui!

Carta - maio/2013 - clicar aqui!

Carta - abril/2013 - clicar aqui!

Carta - março/2013 - clicar aqui!

Carta - fevereiro/2013 - clicar aqui!

Carta - janeiro/2013 - clicar aqui!

Carta - dezembro/2012 - clicar aqui!

Carta - novembro/2012 - clicar aqui!

Carta - outubro/2012 - clicar aqui!

Carta - setembro/2012 - clicar aqui!

Carta - agosto/2012 - clicar aqui!

Carta - julho/2012 - clicar aqui!

Carta - junho/2012 - clicar aqui!

Carta - maio/2012 - clicar aqui!

Carta - abril/2012 - clicar aqui!

Carta - março/2012 - clicar aqui!

Carta - fevereiro/2012 - clicar aqui!

Carta - Janeiro/2012 - clicar aqui!

Carta - Dezembro/2011 - clicar aqui!

Carta - Novembro/2011 - clicar aqui!

Carta - Outubro/2011 - clicar aqui!

Carta - Setembro/2011 - clicar aqui!

Carta - Agosto/2011 - clicar aqui!

Carta - Julho/2011 - clicar aqui!

Carta - Junho/2011 - clicar aqui!

Carta - Maio/2011 - clicar aqui!

Carta - Abril/2011 - clicar aqui!

Carta - Março/2011 - clicar aqui!

Carta - Fevereiro/2011 - clicar aqui!

Carta - Janeiro/2011 - clicar aqui!

Carta - Dezembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta - Novembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta - Setembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta - Agosto/ 2010 - clicar aqui!