O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Jesus conta contigo!
 

Carta MCC do Brasil –dezembro 2013 (172ª.)

“Esta é a luz verdadeira, que vindo ao mundo a todos ilumina. Ela estava no mundo, e o mundo foi feito por ela, mas o mundo não a reconheceu. Ela veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram. A quantos, porém, a acolheram, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus: são os que creem em seu nome. Estes foram gerados não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (Jo 1,9-12).

Muito amados irmãos e irmãs, leitores e leitoras assíduos em frequentar estas nossas Cartas mensais:

Nossa reflexão neste mês dezembro - como, aliás, acontece todos os anos -, tem como referência obrigatória dois acontecimentos: o primeiro, fim do Ano litúrgico e início de um novo ano com o Advento, importante tempo de preparação e expectativa, e o segundo, o Natal, celebração fundamental de nossa fé cristã.

1. Advento.  Reza um conhecido provérbio popular que “o melhor da festa é esperar por ela”. Se isto é verdade para qualquer acontecimento importante histórico ou pessoal, longa e ansiosamente esperado, o é, também, mas muito relativamente, com as celebrações cristãs do Natal. Pois, o importante aqui, é a festa do nascimento do Filho de Deus. Na liturgia católica há dois momentos significativos de expectativa e preparação, a saber, a Quaresma e o Advento. Alguns “olhares” que poderão ajudar-nos nesta preparação:


a) Um olhar para o ano passado Acabamos de viver o Ano da Fé, isto é, o Ano da Palavra. Ao lançarmos um olhar para nós mesmos, podemos nos perguntar se trabalhamos de verdade para o amadurecimento e aprofundamento de nossa fé: “A quantos, porém, a acolheram, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus: são os que creem em seu nome”. Como foi a sua fidelidade no seguimento dos passos de Jesus, isto é, da Palavra, durante o ano que passou? E sua participação na sua Comunidade de fé? Lembremo-nos que sempre é tempo de exprimir a Jesus e à nossa comunidade de fé um pedido de perdão e, ao mesmo tempo, de imensa gratidão por todos os dons recebidos. Passado este ano, quase como um questionamento pessoal, podemos lembrar algumas palavras de Bento XVI na Carta Apostólica Porta Fidei: “Ao longo deste tempo, manteremos o olhar fixo sobre Jesus Cristo, «autor e consumador da fé» (Heb 12, 2): n’Ele encontra plena realização toda a ânsia e anélito do coração humano. A alegria do amor, a resposta ao drama da tribulação e do sofrimento, a força do perdão face à ofensa recebida e a vitória da vida sobre o vazio da morte, tudo isto encontra plena realização no mistério da sua Encarnação, do seu fazer-Se homem, do partilhar conosco a fragilidade humana para a transformar com a força da sua ressurreição. N’Ele, morto e ressuscitado para a nossa salvação, encontram plena luz os exemplos de fé que marcaram estes dois mil anos da nossa história de salvação”[1].


b) Um olhar para o presente.   O Advento é mais um tempo que Senhor nos concede para que renovemos nossa esperança à luz da fé. A esperança de um mundo novo querido e anunciado pelo Pai ao enviar seu Filho amado para caminhar conosco anunciando um Reino de amor, de fraternidade, de justiça, de perdão e de paz. À medida que esta esperança ilumina nossa vida, vamos comprometendo-nos para que, nos limites de nossas condições de vida, façamos acontecer o Reino de Deus ao nosso redor: na família, no trabalho, na vida de relações sociais, etc. Entramos, assim, num clima de renovação de nossa fé e de nossa esperança. Entretanto, não podemos deixar de lembrar o chamado, insistido e proclamado “espírito de natal” que uma cultura já semi-paganizada visa a impor a uma sociedade declaradamente materialista, relativista e consumista. Por inútil deixo de me referir em detalhes a uma preparação paganizada para o natal. Isto é, uma preparação que já começou há meses visando, única e exclusivamente, ao consumo, à satisfação do ter e, infelizmente (quem sabe, até, inconscientemente?), ao culto de deuses estranhos à cultura cristã – papais noeis, trenós, lâmpadas pisca-piscas, etc.. A isto se insiste em chamar de “espírito de natal”! Nada mais é do que quase uma imposição para o consumo de charmosas inutilidades destinadas a preencher o vazio interior e a saciar a sede do ter que, quase sempre, leva ao esbanjamento próprio de quem não descobriu - ou se a descobriu dela se esqueceu – “uma fonte de água viva jorrando para a vida eterna”! (cf.Jo 4, 14). É atitude típica daqueles que preferem sujeitar-se à escravidão das confortáveis leis do consumo do que viver plenamente a liberdade dos filhos de Deus concretizada no amor serviçal e doado. “Ela (a Palavra) veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram”.

2. Natal. Ao mesmo tempo em que, agora, no Advento, tratamos de olhar para o passado e para o presente, o olhar para o Natal já daqui a poucos dias, reassume a ambos e descortina o olhar para o futuro. Por quê? Porque Jesus, aquele que vai nascer, aquele que esperamos no Natal de 2013 (2014 do Ano litúrgico), é aquele que já está conosco, já vive no meio de nós, é sensível às nossas dores e alegrias, deseja um mundo mais humano e mais digno para todos porque “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e sempre” (Carta aos Hebreus 13,8). Nunca, mas nunca mesmo nos esqueçamos de que Deus, por Jesus, começa a salvar e a libertar a humanidade a partir de sua encarnação no humano. Pobre e perseguido desde o nascimento, é assim, que Ele se identifica com suas criaturas; não a partir de cima, dos “altos céus” mas a partir dos pés no chão de nossas próprias debilidades e limitações humanas. É isso mesmo que nos lembra o Papa Bento XVI: “A tradição patrística e medieval, contemplando esta «Cristologia da Palavra», utilizou uma sugestiva expressão: O Verbo abreviou-Se. «Na sua tradução grega do Antigo Testamento, os Padres da Igreja encontravam uma frase do profeta Isaías – que o próprio São Paulo cita – para mostrar como os caminhos novos de Deus estivessem já preanunciados no Antigo Testamento. Eis a frase: “O Senhor compendiou a sua Palavra, abreviou-a” (Is 10, 23; Rm 9, 28). (…) O próprio Filho é a Palavra, é o Logos: a Palavra eterna fez-Se pequena; tão pequena que cabe numa manjedoura. Fez-Se criança, para que a Palavra possa ser compreendida por nós». Desde então a Palavra já não é apenas audível, não possui somente uma voz; agora a Palavra tem um rosto, que por isso mesmo podemos ver: Jesus de Nazaré”[2].


Por isso, o Natal é tempo daquela alegria que ultrapassa todos os limites de outras alegrias superficiais e transitórias; é tempo daquelas luzes deslumbrantes que jamais se apagam aos olhos dos seguidores do Menino; é tempo daqueles cantos jubilosos entoados e cantados pelos anjos celestiais e ouvidos pelas comunidades orantes, mas, sobretudo, ouvido no segredo dos corações dos que amam e se identificam com o Menino da manjedoura: “Glória a Deus nos mais alto dos céus, e na terra, paz aos que são do seu agrado” (Lc 2,14)[3]. Vamos, então, vibrando de alegria em mais um Natal, acolher a Palavra: “A quantos, porém, a acolheram (a Palavra), deu-lhes poder de se tornarem filhos de Deus: são os que creem no seu nome...E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que recebe do seu Pai como filho único, cheio de graça e de verdade” (Jo 1,12.14).

Não seria possível terminar nossa reflexão sem numa referência à Mãe do Menino, Maria. Nada mais oportuna, portanto, do que a palavra do mesmo Papa Bento XVI: “Contemplando na Mãe de Deus uma vida modelada totalmente pela Palavra, descobrimo-nos também nós chamados a entrar no mistério da fé, pela qual Cristo vem habitar na nossa vida. Como nos recorda Santo Ambrósio, cada cristão que crê, em certo sentido, concebe e gera em si mesmo o Verbo de Deus: se há uma só Mãe de Cristo segundo a carne, segundo a fé, porém, Cristo é o fruto de todos. Portanto, o que aconteceu em Maria pode voltar a acontecer em cada um de nós diariamente na escuta da Palavra e na celebração dos Sacramentos”[4].

A todos desejo um Santo Natal com a Virgem Maria e São José que nos acolhem à beira do presépio onde repousa o Menino que beijamos com todo o carinho do nosso coração,

 

Pe. José Gilberto Beraldo
E-mail: jberaldo79@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------
[1] PF .13
[2] Exortação Apostólica Verbum Domini (VD), 12
[3] Bíblia Sagrada, trad.CNBB
[4] VD 28
--------------------------------------------------------------------------------------------------------

Carta do Pe. Beraldo - novembro/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - outubro/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - setembro/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - agosto/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - julho/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - junho/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - maio/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - abril/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - março/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - fevereiro/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - janeiro/2013 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - dezembro/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - novembro/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - outubro/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - setembro/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - agosto/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - julho/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - junho/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - maio/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - abril/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - março/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - fevereiro/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Janeiro/2012 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Dezembro/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Novembro/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Outubro/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Setembro/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Agosto/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Julho/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Junho/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Maio/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Abril/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Março/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Fevereiro/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Janeiro/2011 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Dezembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Novembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Setembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta do Pe. Beraldo - Agosto/ 2010 - clicar aqui!

 
Página Melhor Visualizada em Resolução 800x600 no Internet Explorer
2009 MCCPELOTAS Todos os direitos reservados. Política de privacidade.