banner site MCC Pelotas


Carta MCC do Brasil n° 242 - outubro 2019



“Sede, pois, santos, porque eu sou santo” (Lv 11,45; cf. 1Pd 1,16).


Caríssimos amigos e amigas, companheiros e companheiras nesta árdua peregrinação da contínua conversão para a santidade à qual todos somos vocacionados.

Introdução. Nossa reflexão mensal sobre a GE pretende girar, nesta Carta, em torno do tema da Conversão. Sobre a “conversão missionária da Igreja” já havia tratado o papa Francisco na Exortação Apostólica “Evangelii Gaudium” (EG Cap. I), não só como necessária, mas, sobretudo, urgente.

A Exortação Apostólica Gaudete et Exultate (GE), tema de nossas últimas Cartas, tem por subtítulo “sobre o chamado à santidade no mundo atual”. Pois bem, se percorrermos com a devida atenção todo o aludido texto, com certeza poderemos chegar a uma muito clara síntese: somos todos chamados à CONVERSÃO PESSOAL E COMUNITÁRIA em busca da santidade. Sugiro, portanto, que nossas reflexões deste mês girem em torno desse importante tema para o cristão de hoje – como o foi para o de ontem e deverá ser, também, para o do futuro.

1. Converter-se consiste em… a) voltar a frequentar a missa dominical?; b) depois de muito tempo afastado, voltar a confessar-se?; c) voltar a fazer suas orações pela manhã e à noite?, d) participar de algum movimento de Igreja ou de algum retiro e afirmar que “se converteu”? Sem nos restringirmos a essas e outras interpretações semelhantes do que seja converter-se, é preciso ampliar seu dinamismo evangélico, pois a conversão é um processo para toda a vida.

2.Converter–se consiste, antes de tudo, em mudar de mentalidade. A mentalidade condiciona o agir das pessoas. E o agir do seguidor do caminho de Jesus deve acompanhar o do Mestre, escutando-o a cada momento, em cada acontecimento, em cada situação pessoal. Converter-se, portanto, é identificar-se com o mistério da divindade de Jesus que se encarna, como nós, na humanidade. Na GE ao introduzir a reflexão sobre as Bem-aventuranças, assim se expressa o papa Francisco: “Voltemos a escutar Jesus, com todo o amor e respeito que o Mestre merece. Permitamos-Lhe que nos fustigue com as suas palavras, que nos desafie, que nos chame a uma mudança real de vida (conversão) Caso contrário, a santidade não passará de palavras” (GE 66).

3. Converter-se consiste em perseverar na busca da santidade. O conceito do que seja . “perseverar” está expresso no texto bíblico pelo verbo “sede”, que está no modo imperativo positivo, isto é, continuem “sendo” até alcançar a santidade perfeita. É por isso que o Papa escreve na GE: “Essa santidade, a que o Senhor te chama, irá crescendo com pequenos gestos. Por exemplo, uma senhora vai ao mercado fazer as compras, encontra uma vizinha, começam a falar e… surgem as críticas. Mas essa mulher diz para consigo: «Não! Não falarei mal de ninguém». Isto é um passo rumo à santidade. Depois, em casa, o seu filho reclama a atenção dela para falar das suas fantasias e ela, embora cansada, senta-se ao seu lado e escuta com paciência e carinho. Trata-se de outra oferta que santifica. Ou então atravessa um momento de angústia, mas lembra-se do amor da Virgem Maria, pega no terço e reza com fé. Esse é outro caminho de santidade. Noutra ocasião, segue pela estrada afora, encontra um pobre e detém-se a conversar carinhosamente com ele. É mais um passo (GE 16).

Sugestão para reflexão pessoal e/ou em grupo.

a) Como você e/ou o seu grupo interpreta a afirmação de Jesus: “Eu vos digo: assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e novo justos que não precisam de conversão” (Lc 15,7)?

b) Uma “piedosa” tradição na Igreja sugere que se peça pela conversão dos “pobres pecadores”. À luz do que foi dito, qual o sentido da prática da conversão?

c) Existem, de fato, “pobres pecadores” ou “pecadores ricos” ou “pecadores de “classe média”?

Unido a todos vocês, através da oração, rogo a Deus que lhes envie o Espírito Santo, cuja inspiração fará com que se aprofunde continuamente esse processo de conversão que leva à santidade e que só se concluirá quando, cada um de nós, for “perfeito como o Pai é perfeito”, ou seja, no nosso encontro definitivo com Ele.

Pe. José Gilberto Beraldo      
Equipe Sacerdotal do GEN    
E-mail: jberaldo79@gmail.com


Cartas, anteriores do pe. Beraldo:

Carta - set/2019 - clicar aqui!

Carta - ago/2019 - clicar aqui!

Carta - jul/2019 - clicar aqui!

Carta - jun/2019 - clicar aqui!

Carta - mai/2019 - clicar aqui!

Carta - abr/2019 - clicar aqui!

Carta - mar/2019 - clicar aqui!

Carta - fev/2019 - clicar aqui!

Carta - jan/2019 - clicar aqui!

Carta - dez/2018 - clicar aqui!

Carta - nov/2018 - clicar aqui!

Carta - out/2018 - clicar aqui!

Carta - set/2018 - clicar aqui!

Carta - ago/2018 - clicar aqui!

Carta - jul/2018 - clicar aqui!

Carta - jun/2018 - clicar aqui!

Carta - mai/2018 - clicar aqui!

Carta - abr/2018 - clicar aqui!

Carta - mar/2018 - clicar aqui!

Carta - fev/2018 - clicar aqui!

Carta - jan/2018 - clicar aqui!

Carta - dez/2017 - clicar aqui!

Carta - nov/2017 - clicar aqui!

Carta - out/2017 - clicar aqui!

Carta - set/2017 - clicar aqui!

Carta - ago/2017 - clicar aqui!

Carta - jul/2017 - clicar aqui!

Carta - jun/2017 - clicar aqui!

Carta - abr/2017 - clicar aqui!

Carta - mar/2017 - clicar aqui!

Carta - fev/2017 - clicar aqui!

Carta - jan/2017 - clicar aqui!

Carta - dez/2016 - clicar aqui!

Carta - nov/2016 - clicar aqui!

Carta - out/2016 - clicar aqui!

Carta - set/2016 - clicar aqui!

Carta - ago/2016 - clicar aqui!

Carta - jul/2016 - clicar aqui!

Carta - jun/2016 - clicar aqui!

Carta - mai/2016 - clicar aqui!

Carta - abr/2016 - clicar aqui!

Carta - mar/2016 - clicar aqui!

Carta - fev/2016 - clicar aqui!

Carta - jan/2016 - clicar aqui!

Carta - dez/2015 - clicar aqui!

Carta - nov/2015 - clicar aqui!

Carta - out/2015 - clicar aqui!

Carta - set/2015 - clicar aqui!

Carta - ago/2015 - clicar aqui!

Carta - jul/2015 - clicar aqui!

Carta - jun/2015 - clicar aqui!

Carta - mai/2015 - clicar aqui!

Carta - abr/2015 - clicar aqui!

Carta - mar/2015 - clicar aqui!

Carta - mar/2015 - clicar aqui!

Carta - fev/2015 - clicar aqui!

Carta - jan/2015 - clicar aqui!

Carta - dez/2014 - clicar aqui!

Carta - nov/2014 - clicar aqui!

Carta - out/2014 - clicar aqui!

Carta - set/2014 - clicar aqui!

Carta - ago/2014 - clicar aqui!

Carta - jul/2014 - clicar aqui!

Carta - jun/2014 - clicar aqui!

Carta - maio/2014 - clicar aqui!

Carta - abril/2014 - clicar aqui!

Carta - março/2014 - clicar aqui!

Carta - fevereiro/2014 - clicar aqui!

Carta - janeiro/2014 - clicar aqui!

Carta - dezembro/2013 - clicar aqui!

Carta - novembro/2013 - clicar aqui!

Carta - outubro/2013 - clicar aqui!

Carta - setembro/2013 - clicar aqui!

Carta - agosto/2013 - clicar aqui!

Carta - julho/2013 - clicar aqui!

Carta - junho/2013 - clicar aqui!

Carta - maio/2013 - clicar aqui!

Carta - abril/2013 - clicar aqui!

Carta - março/2013 - clicar aqui!

Carta - fevereiro/2013 - clicar aqui!

Carta - janeiro/2013 - clicar aqui!

Carta - dezembro/2012 - clicar aqui!

Carta - novembro/2012 - clicar aqui!

Carta - outubro/2012 - clicar aqui!

Carta - setembro/2012 - clicar aqui!

Carta - agosto/2012 - clicar aqui!

Carta - julho/2012 - clicar aqui!

Carta - junho/2012 - clicar aqui!

Carta - maio/2012 - clicar aqui!

Carta - abril/2012 - clicar aqui!

Carta - março/2012 - clicar aqui!

Carta - fevereiro/2012 - clicar aqui!

Carta - Janeiro/2012 - clicar aqui!

Carta - Dezembro/2011 - clicar aqui!

Carta - Novembro/2011 - clicar aqui!

Carta - Outubro/2011 - clicar aqui!

Carta - Setembro/2011 - clicar aqui!

Carta - Agosto/2011 - clicar aqui!

Carta - Julho/2011 - clicar aqui!

Carta - Junho/2011 - clicar aqui!

Carta - Maio/2011 - clicar aqui!

Carta - Abril/2011 - clicar aqui!

Carta - Março/2011 - clicar aqui!

Carta - Fevereiro/2011 - clicar aqui!

Carta - Janeiro/2011 - clicar aqui!

Carta - Dezembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta - Novembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta - Setembro/ 2010 - clicar aqui!

Carta - Agosto/ 2010 - clicar aqui!